sábado, 5 de dezembro de 2009

Segundos Grosseiros

Sinto-me perdido por entre os ponteiros

De um relógio confuso, absurdo.

Minutos cheios de segundos grosseiros…

Badaladas que provocam um som surdo.


Deixo-me andar procurando por mim.

Ou por algo que me complete

E o meu relógio concerte:

Organizando um sem fim

De emaranhadas

Rodas dentadas.


Olho para trás e vejo enaltecedores

Momentos de alegria, de vitórias.

Já foram… os tempos vencedores,

Em que o relógio era atómico

E não dava horas tardias,

Nem fazia de mim acrómico.

Nenhum comentário:

Postar um comentário