quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

Explica-me Porquê...

Certas pessoas dizem
Que só escreves poemas tristes.
Mas as tuas emoções contradizem
Aquilo que pensavas enquanto riste!

Dizes bem! Como consigo escrever
Alegrias se elas escasseiam
A cada dia que passa a correr?!!
Escrevo alegrias enquanto elas se incendeiam?

Mas tu és alegre e estás sempre a brincar,
Porque dizes que só vês tristezas?!
Eu vejo sempre os teus olhos a brilhar
E esperança eterna lá nas profundezas.

Sabes?! O essencial é invisível aos olhos.
O meu lema é animar o meu redor.
Boas caras?! Existem aos molhos.
Carrego um passado cheio de dor.

Lá estás tu com as tuas lamúrias
De coitadinho sempre a sofrer.
Eu sempre pensei que forte serias
E agora dá-te para esmorecer?!

Mas eu não ando a sofrer.
Eu serei sempre forte e lutador.
Estou numa fase em que escrever
Me faz desabafar toda a passada dor.

Porque não sais
E desabafas com aqueles
Teus amigos especiais?
Retira coisas boas deles!

Eu prefiro usar as teclas para desabafar
As coisas tristes da vida.
Com os amigos, para os animar,
Partilho as alegrias e penso em missão cumprida.

sábado, 9 de janeiro de 2010

Do Zero ao Nulo

Depois ainda
Um futuro incerto,
Onde tudo finda
E nada é certo.

Como querer
E nunca poder,
Nem saber
Como vamos ser.

Restam sonhos…
Em tudo medonhos
Por não saber o que virá
E pensar no que para trás ficará.

A vida é incerta…
Como a lotaria.
Não sabemos a chave certa
Nem o que virá no próximo dia.

Cruzamentos passados.
Direcção correcta?
Momentos conquistados
Desejando estrada recta.

Há que sonhar
E caminhar,
Sem para trás olhar.
É na frente que se vê o luar.

Infinitas lutas.
Vitórias e derrotas.
Aprendizagens ocultas
Que dão as falhas devotas.

Nascer a zero
E crescer aprendendo.
Morrer com conhecimento mero
E tudo saber querendo.