sábado, 9 de janeiro de 2010

Do Zero ao Nulo

Depois ainda
Um futuro incerto,
Onde tudo finda
E nada é certo.

Como querer
E nunca poder,
Nem saber
Como vamos ser.

Restam sonhos…
Em tudo medonhos
Por não saber o que virá
E pensar no que para trás ficará.

A vida é incerta…
Como a lotaria.
Não sabemos a chave certa
Nem o que virá no próximo dia.

Cruzamentos passados.
Direcção correcta?
Momentos conquistados
Desejando estrada recta.

Há que sonhar
E caminhar,
Sem para trás olhar.
É na frente que se vê o luar.

Infinitas lutas.
Vitórias e derrotas.
Aprendizagens ocultas
Que dão as falhas devotas.

Nascer a zero
E crescer aprendendo.
Morrer com conhecimento mero
E tudo saber querendo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário